Produtos


Home > Produtos > Software Livre > Red Hat

Red Hat

A estratégia da Red Hat é ajudar os clientes a reduzir, sistematicamente, os custos com infra-estrutura. A tecnologia da virtualização ajuda os clientes a reduzirem custos porque otimiza e melhora a utilização dos sistemas. Criamos o Virtualization Resource Center para oferecer as clientes as ferramentas e informações necessárias para que eles se preparem para a virtualização.

 

 

O Red Hat Enterprise Linux, o sistema operacional open source líder mundial, permite que CIOs e gerentes de TI reduzam custos enquanto melhoram a flexibilidade operacional. As novas características da versão 5, combinadas a um abrangente portfólio de serviços e um ecossistema de parceiros inigualável, possibilitam que os gerentes de TI transformem toda a infra-estrutura da computação, trazendo benefícios econômicos a todos os ambientes do setor.

 

Vantagens da Virtualização usando o Linux Red Hat:


Sem Atualizações

Uma preocupação comum entre os administradores de sistema são aos processos de teste e qualificação necessários na implementação de uma nova versão do sistema operacional. É bem possível que as vantagens do novo software não sejam tão significativas para grande parte das aplicações, mas podem ser necessárias para atender uma determinada aplicação ou hardware.

A virtualização oferece uma solução para esse problema. A estrutura existente pode continuar operacional em uma máquina virtual, enquanto o novo hardware é instalado em outra máquina virtual, com conseqüentes benefícios de confiabilidade e desempenho. As poucas aplicações que precisam da nova versão do sistema operacional podem ser executadas em uma outra máquina virtual com essa versão mais recente.

Isso significa que as atualizações só serão feitas onde o administrador julgar necessário. Ele nunca mais será forçado a passar por um processo imprevisto e dispendioso de atualização de software.

 

Maior Segurança

Embora um sistema utilizado apenas por uma aplicação possa ter seu acesso limitado, muitos sistemas atualmente permitem acesso compartilhado, sendo fundamental garantir a privacidade. A virtualização permite que cada aplicação e conjunto de dados sejam colocados em uma máquina virtual distinta. Isso traz muitas vantagens, além de reduzir o número de hardware.

Como a virtualização isola cada máquina virtual, cada um deles fica muito menos susceptível a compartilhamento não desejado. Qualquer ataque bem sucedido restringe-se apenas ao sistema operacional virtual de uma máquina invadida. Junto com SELinux e Red Hat Identity Management, é possível conseguir um alto nível de isolamento dos dados e do usuário, sem necessidade de um servidor distinto para cada usuário.

Desenvolvimento e Testes

O desenvolvimento de software é um processo longo, com muitas interações envolvendo codificação, depuração e testes. Antigamente os processos de depuração e testes freqüentemente exigiam muitos sistemas distintos. Era difícil criar redes maiores e os conjuntos de dados necessários para os testes. A virtualização oferece várias soluções para esses problemas.

Os desenvolvedores podem contar com máquinas virtuais individuais capazes de serem inicializadas e encerradas sem nenhuma interferência nas outras. Eles não precisam mais de máquinas físicas individuais, o que simplifica a depuração de código, especialmente de código kernel.

Como as máquinas virtuais podem ser rápida e facilmente inicializadas, encerradas e modificadas, é possível automatizar uma série de testes de regressão. Os scripts podem aprovisionar diferentes versões das aplicações e sistemas operacionais, executar conjuntos de dados conhecidos e apresentar os resultados em gráficos e relatórios. No caso de paralisação do sistema, o script consegue detectar a situação porque apenas o Sistema Operacional Virtual irá parar e não a base.

Se houver necessidade de utilizar diversos sistemas, podem ser configurados vários Sistemas Operacionais Virtuais na rede simulando uma grande rede física com um pequeno número de servidores físicos. Isso aumenta a escalabilidade para os testes, uma raridade hoje em dia. Na verdade, fora o horário comercial, é possível usar as máquinas não utilizadas da produção para os testes, tudo isso com total segurança, graças às medidas de segurança e firewall em cada S.O. Virtual.

 

Migração sem Interrupção das Operações

A Migração sem Interrupção das Operações Live Migration) possibilita a migração para máquinas “paravirtualizados” no Red Hat Enterprise Linux Version 5 de um servidor físico para outro da rede.

Quando é solicitado que um S.O seja transferido (solicitação essa feita por um programa ou pelo administrador do sistema via ferramentas de gerenciamento padrão do Red Hat Enterprise Linux), o hypervisor do sistema de “origem” age em conjunto com o hypervisor do sistema de “destino” na alocação de memória para suportar a migração do Sistema.

A memória é então copiada na rede até que reste apenas memória necessária para as operações. Como o S.O da máquina de “destino” ainda está sendo executado e servindo os programas, definimos essa memória como memória que está sendo utilizada. Em seguida, o hypervisor do sistema de “origem” dá uma pausa no S.O. e copia o restante dessa memória. Depois disso, hypervisor da máquina de "destino" ativa o S.O.

Como todas as conexões de rede e de E/S são preservadas na memória copiada, elas se mantêm, e por isso, apenas com uma breve pausa (inferior a 200 ms), a tarefa prossegue servindo os clientes. Observe que é necessário que os sistemas façam parte da mesma sub-rede para que o soquete da rede fique ativo e também que haja armazenamento comum, para que não haja impacto sobre os arquivos abertos. Não é necessário um lock manager, apenas iSCSI, GNDB ou SAN.

Esse tipo de migração pode ocorrer por várias razões.

  1. Um S.O é utilizado tanto que, ou ele é migrado para uma nova máquina, ou outros S.Os daquela máquina precisam ser migrados para liberar recursos para esse S.O. sobrecarregado.

  1. O sistema começa a emitir alertas sobre pequenos erros de memória, sobre temperatura ou outros indicativos de falha iminente. É necessário migrar os S.Os antes que eles sejam encerrados, para que o servidor possa ser liberando para manutenção.

  1. Para a preparação para um fluxo pesado de lote, comum em alguns ERP e transações financeiras. É necessário que os S.Os sejam migrados do servidor para liberar capacidade. Eles podem ser consolidados em menos máquinas, de forma que a capacidade em excesso possa ser eliminada, economizando potência.

Isolamento de Falhas

Um bom motivo para configurar um grande número de S.Os e executar poucas funções por S.O é tentar minimizar o efeito dominó de uma paralisação. Normalmente, quando um job em um grande sistema SMP trava é bem provável que isso ocorrerá também com cada hub do sistema. No Red Hat Virtualization, cada função pode ser alocada no seu próprio S.O.

Na eventual falha ou problema de segurança, essa falha não irá se propagar e o impacto ficará restrito àquele S.O. Com o uso inteligente da migração e de software de cluster de HA é mais fácil ter instâncias de backup prontas para entrar em ação caso ocorra um problema em um S.O ou com a carga de trabalho.

 

Para maiores informações sobre a virtualização e consolidação de Linux Red Hat, mande um email para:

consultoria@american-nc.com.br

Vantagens
Servidores
Storages
Roteadores
Switches
Estações
Acessórios
login     
senha  

 

 

 

 

 

Rua Lourenço Correia, 63 CEP 03307-020 – São Paulo – SP   Fone: 55 11 2941-0707
Página Principal Contato